Nation POP

Adriana Calcanhotto constrói e desconstrói em clipe de “LÁ LÁ LÁ”

COMPARTILHE!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Adriana Calcanhotto se entrega de corpo e alma em seus trabalhos. Assim como na música “Margem”, em que raspa o cabelo no clipe, a cantora constrói e desconstrói a arte com pincel e tinta no vídeo da nova música, “LÁ LÁ LÁ”.

Disponível em todas as plataformas digitais, a faixa segue a levada próxima da natureza com o som do mar entre os elementos, assim como as muitas referências na letra, que passeiam da onda à areia.

Murilo Alvesso, diretor do clipe, compartilha como foi o processo criativo. “Como é que a gente diz o que escapa da linguagem? Foi com essa pergunta na cabeça que o clipe de ‘LÁ LÁ LÁ’ nasceu. O vai e vem de compor, rabiscar e dar forma a um sentimento que não se explica tão bem quanto se sente. Queríamos partir do código da criação para inundar a sala de casa dessa força inominável que agita as águas salgadas, tomando o caldo que viesse”.

Com isto em mente, o vídeo segue como uma folha em branco, em que Adriana com um pincel e tinta azul, começa a escrever “LÁ” na tela, seguindo para as paredes, até seu próprio corpo estar inundado de azul.

“LÁ LÁ LÁ”, como relata Adriana, começou a ser escrita antes mesmo da gravação de “Maré”, segundo disco da trilogia do mar. “A ideia era gravá-la logo mas na época da gravação, ela estava muito longe de estar pronta. Estava tratando da vontade na natureza, estava lendo ‘Da Natureza de Coisas’, de Lucrécio, e andava especialmente impactada com o que é que faz com que a onda levante e depois quebre. O que seria o motor da onda? O que dá a ela a vontade para levantar e quebrar? Para quê levantar se sabe que vai quebrar? Ou será que não sabe, afinal? Coisas que me parecem que a linguagem não consegue abarcar. E quando em música popular a linguagem não pode com certas questões, usa-se lá lá lá. Esse lá da canção, ‘que não é lugar’, deságua no lá lá lá em tom festivo e de celebração, com a música dizendo então o que a letra só pode supor”, explica a artista.

Esta é mais uma composição da cantora, sendo o terceiro single do álbum “Margem”, que encerra a trilogia do mar (iniciada com “Maritmo” em 1998 e seguida de “Maré” em 2008), com previsão de lançamento para início de junho. “Para compor programei uma levada de samba de roda com palmas eletrônicas, e só. O resto ficou por conta dos meninos da banda”, conta Adriana. As outras faixas já divulgadas do disco são: “Margem” e “Ogunté”.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Gabriel Lucas

Gabriel Lucas

23 anos, respira música mesmo não tendo dom para tal, super eclético, criador do Nation POP, compartilha um pouco de tudo que gosta.