Nation POP

Ludmilla diz que, no Réveillon, pulará sete ondas para conseguir parceria com Beyoncé

Ludmillaa
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

Com apenas 24 anos de idade, Ludmilla já construiu uma história inspiradora e consolidou o seu nome na música brasileira. Negra, assumidamente bissexual e nascida na periferia, a cantora tem como maior inspiração a cantora americana Beyoncé. Tanto que, quando Ludmilla surgiu no cenário musical, usava o nome da diva pop para se apresentar. “Queria ser igual a Beyoncé. Ela canta e dança muito bem ao mesmo tempo e eu nunca tinha visto alguém fazer aquilo”, conta. “E a minha mãe dizia: ‘larga a Beyoncé, filha, ela está com a vida ganha’”, relembra a cantora.

Aos 16 anos, Ludmilla se encontrou no funk e lançou a música “Fala Mal de Mim”, seu primeiro hit. A partir desse momento, ela conheceu a fama, mas diz que não acreditava que aquilo estava realmente acontecendo. “No Facebook, muita gente pedia para me adicionar. Primeiro, achei que fosse o pessoal da minha escola me ‘trolando’, porque quando eu disse que ia ser MC, todos riram, ninguém acreditou. Mas muita gente de São Paulo, de Vitória e de Porto Alegre começou a me adicionar. Era real! ”.

A cantora também relembra o seu primeiro show, em 2012, realizado na capital paulista. “Eu estava nervosa e minhas pernas tremiam bastante, mas consegui levar, cantei com o pessoal e vi que o palco era um lugar que eu poderia dominar se estudasse mais um pouquinho”, diz. Em 2014, assinou contrato com a gravadora Warner e precisou abandonar o apelido artístico “MC Beyoncé”, passando a usar seu primeiro nome. Hoje, Ludmilla é uma das maiores artistas do Brasil. Seus videoclipes têm mais de 1,4 bilhão de visualizações no Youtube e todos os meses mais de 6 milhões de pessoas ouvem suas canções na plataforma de streaming Spotify. Seu número de seguidores no Instagram superou a marca dos 18 milhões.

Mesmo com tantas conquistas, Ludmilla ainda é uma mulher cheia de sonhos, que está sempre almejando a expansão de sua carreira. Após a cantora Rihanna usar a música “Malokera” na abertura do desfile de sua grife de lingerie, Ludmilla aspira uma parceria com a diva, e, claro, também com a sua musa inspiradora Beyoncé. Para tanto, ela diz que vai usar da superstição e pulará sete ondas no Réveillon fazendo pedido nesse sentido. “Eu vou continuar quebrando muralhas e barreiras, porque eu tenho sonhos e são eles que me movem”, completa.

Primeira mulher negra a vencer a categoria de Melhor Cantora no Prêmio Multishow, em 2019, Ludmilla foi surpreendida com vaias ao subir no palco. No discurso, ela caiu no choro: “Eu só queria dizer para todas as meninas, para todas as mulheres, para todas as pessoas periféricas: nunca, nunca mesmo, deixem ninguém falar o que vocês são ou o que podem ser na vida. Se vocês têm um sonho, por favor lutem como uma garota e vão atrás dele, porque vão conseguir. Eu queria agradecer aos meus fãs, minha família, a todo mundo e até as vaias de vocês também. Elas me fazem pensar no que eu gostaria ou não que fizessem com as pessoas”.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Conteúdos Relacionados: