Nation POP

Luly Poynter e MC Bevick criam funk-EDM em “Vai Rebola”

1-min
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

A faixa é a aposta da DJ cearense baseada na Suíça, que se reconecta musicalmente com o Brasil sem perder seu foco na EDM europeia

As tendências musicais podem ser um tanto malucas, às vezes. Enquanto no Brasil a tradicional música EDM aos moldes gringos não possui mais tanta força, na Europa e nos EUA ainda é o som de preferência dos jovens. Mas quando o assunto é funk brasileiro, você sabia que o estilo está em alta na Europa também? É neste ponto de contato entre o que funciona para o Brasil e o que funciona para o exterior que se encontra Luly Poynter em sua track “Vai Rebola”.

Com participação do MC Bevick — conhecidíssimo no Brasil pelos hits “Mamacita” e “Não Larga o Copo” — a faixa é a primeira da carreira de Luly como produtora musical. Embora sua jornada na música eletrônica tenha se iniciado há quatro anos, seu interesse na Primeira Arte vem de berço, já que a jovem de 25 anos cresceu em uma família de músicos e começou a compor ainda na adolescência. Hoje, completamente apaixonada pelos beats pulsantes da dance music, Luly traz sua track para mostrar ao mundo.

“A ideia da música é trazer um pouco do Brasil para cá, para a Europa, como menciona o MC Bevick no começo da faixa. Eu aproveitei que agora, no cenário da música eletrônica, grandes artistas como o Quintino, o Kura e o Sunnery James & Ryan Marciano vêm misturando o som deles com elementos de estilos brasileiros em seus sets, em especial o funk. Eu quis fazer parte dessa vibe!”

conta Luana Carvalho, nome pelo qual atende fora das cabines

Para viver de maneira imersiva a cena EDM, Luly mudou-se para Genebra, na Suíça, há dois anos, e cuidou de desenvolver-se como DJ e como produtora. O resultado disso, então, é “Vai Rebola”, apresentando uma mistura entre a energia incomparável do big room, o groove percussivo do tribal house, a faceta sônica ostensiva do funk e até mesmo um break com flautas orientais. Este é o intercâmbio cultural que Luly Poynter tem como aposta em seu lançamento, e você pode conferir agora!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Conteúdos Relacionados: