Bradley Simpson compartilha novo single 'Picasso'
in

Bradley Simpson compartilha novo single ‘Picasso’

O single solo de estreia de Bradley Simpson, ‘Cry At The Moon’, ocupou um ponto de equilíbrio raramente explorado entre estilos: o clássico norte-americano dos anos 70 com uma intensidade crescente que ecoa o espírito arrogante dos grandes do indie-rock, mas também com a borda pop contemporânea que só pode vir de um artista que já foi a atração principal na arena O2 de Londres com capacidade para 20.000 pessoas em várias ocasiões. A partir dessa introdução envolvente, Bradley agora se lança no lançamento de seu novo single ‘Picasso’.

Produzido pelo 2x indicado ao Grammy BOOTS (Beyoncé), com uma subcorrente onírica de psicodelia dos anos 60 e bedroom pop, ‘Picasso’ é simbólico do que Bradley faz tão bem: criar músicas com um apelo instantâneo, mas com nuances líricas que proporcionam uma relação mais profunda. Seu impressionante verso “transformando tortura em arte” chama a atenção e inspira uma investigação mais profunda da narrativa por trás dela.

Bradley diz: “‘Picasso’ é sobre um desses amores tóxicos que você sabe que é ruim para você, mas há algo incrível nele que faz você continuar voltando. Você sempre espera que as coisas vão dar certo, então você continua dando chances quando talvez, em retrospectiva, devesse ter parado cedo. Você também encontra pessoas que podem vestir essas dificuldades como parte do romance. Essa música me permitiu exorcizar essas experiências e superá-las.”

‘Picasso’ e ‘Cry At The Moon’ estabelecem um padrão alto para o que está por vir de Bradley. Muitas de suas próximas músicas foram escritas nos confortáveis confines de seu estúdio em casa: um espaço de sótão convertido acessível apenas por uma escada instável. As sessões de gravação foram igualmente modestas, com o exterior sujo e coberto de grafite dos estúdios Flux em Nova York abrindo para revelar um espaço mergulhado em história, sua coleção de equipamentos vintage e a névoa de cigarro estagnado no lugar onde The Strokes gravaram seu clássico álbum de estreia ‘Is This It.

Mas enquanto os locais eram modestos, seus principais colaboradores eram de alto nível. Além do superprodutor BOOTS, Bradley passou grande parte do processo escrevendo com espíritos afins na forma de Andrew Wells (YUNGBLUD, Halsey) e Anthony Rossomando (Liam Gallagher, e membro fundador do Dirty Pretty Things com Carl Barât). Eles compartilharam sua admiração por Queens of the Stone Age, The Raconteurs, Them Crooked Vultures e The Black Keys, o que ajudou a desbloquear o processo criativo, enquanto as letras de Bradley se tornaram instantâneos íntimos e diarísticos de experiências intensamente pessoais, ricas em detalhes precisos que só podem ser escritos depois de vivenciados.

Tendo acabado de fazer uma série de shows solo intimistas em todo o mundo, que incluíram uma residência de quatro noites no famoso 100 Club de Londres, Bradley também confirmou uma turnê completa no outono (no hemisfério norte). Abrangendo a Europa antes de sua etapa no Reino Unido culminar com dois shows em Londres no Village Underground.

Denunciar post

O que você achou do conteúdo?

Escrito por Gabriel Nascimento

Oie, sou o Gabe, o cérebro por trás desse universo chamado Nation POP. Sou Jornalista, especialista em Marketing e Engenheiro de Software. Minhas redes sociais estão a disposição para conexões 💜😉

Panini celebra o GokuDay na Panini Point de São Paulo

Panini celebra o GokuDay na Panini Point de São Paulo

FALHA se inspira no universo Sci-Fi em álbum de estreia

FALHA se inspira no universo Sci-Fi em álbum de estreia