O artista indie/eletrônico Elliot Moss, de nova york, lança seu novo álbum 1
in

O artista indie/eletrônico Elliot Moss, de nova york, lança seu novo álbum

As limitações pessoais tanto nos sobrecarregam quanto nos definem e, em seu novo trabalho, How I Fell, o compositor e produtor nova-iorquino Elliot Moss vira o espelho para si mesmo, encontrando conforto no desconforto. Lançado hoje, How I Fell é uma extensa análise de onze músicas sobre nostalgia, perda e como encontrar um caminho a seguir. Produzido com maestria, Moss oferece um som vasto e expansivo de guitarras furiosas, eletrônica em camadas e ritmos de passos rápidos, enquanto remove o Band-Aid de suas emoções mais frágeis. Ouça How I Fell, disponível agora em todas as plataformas digitais (aqui).

“Sempre que percebia que estava me escondendo atrás de um denso cenário sonoro, ou sacrificando a sinceridade pelo conforto, eu voltava à fonte e garantia que estava comunicando de forma direta e autêntica quanto possível,” diz Moss. “Levou um pouco de prática, mas eventualmente senti que era revigorante não deixar nada passar despercebido.”

Elliot está animado para apresentar seu novo álbum aos fãs e ao público de todo o país. Sua turnê norte-americana começa em Washington, D.C. no DC9 e termina no Holocene Theater em Portland, OR.

Elliot Moss dedicou grande parte de sua vida a imaginar mundos sonoros com um poder estranhamente transportador. Após encontrar o sucesso com seu single viral “Slip” aos 18 anos, o cantor/compositor/multi-instrumentista criado na cidade de Nova York trouxe sua imaginação irrestrita e musicalidade refinada para seu álbum de estreia em 2015, Highspeeds, e seu sucessor A Change In Diet (um LP de 2020 elogiado pela Pitchfork como “afiado e habilmente evocativo”). Quando chegou a hora de seu terceiro álbum, How I Fell, Moss combinou sua ingenuidade ilimitada com um compromisso novo e maior com a verdade emocional exata – uma dinâmica que logo levou à sua oferta mais completa até então, uma meditação com nuances sobre como as limitações pessoais nos sobrecarregam e nos definem. O resultado é um corpo de trabalho luminoso que convida tanto à introspecção intensa quanto à catarse transformadora.

Produzido por Moss e gravado principalmente em seu próprio estúdio, How I Fell inclui onze faixas com detalhes exuberantes, às quais ele se refere como “globos de neve”, cada uma retratando um tipo de limitação em seu caminho para uma maior compreensão de si mesmo. Com a ajuda e a percepção do colega produtor Damian Taylor (Björk, Arcade Fire, Japandroids), Moss moldou a forma ousadamente original de pop alternativo do álbum, trabalhando com uma vasta paleta de instrumentação e elementos eletrônicos, adotando um som decididamente mais centrado na guitarra do que em seus trabalhos anteriores. “A guitarra foi meu primeiro instrumento e eu era obcecado por ela quando era criança, então me senti bem em escrever músicas com riffs de verdade para variar”, diz Moss, que começou a tocar baixo em sessões de estúdio dirigidas por seu pai, Peter Denenberg (um engenheiro veterano que já trabalhou com nomes como Todd Rundgren, Iggy Pop e Chrissie Hynde). Ao criar How I Fell, ele também fez questão de ampliar a intimidade vivida em suas composições, adotando uma abordagem mais artesanal e rigorosa no processo de produção. “No passado, eu fazia muitas programações porque era confortável; nunca havia um ‘momento’ para pensar. Mas, com esse álbum, descobri que as músicas que exigiam mais da minha musicalidade eram as mais satisfatórias”, diz ele. “Muitas dessas tomadas foram feitas com muito suor e lágrimas. Eu passava horas procurando o momento certo. Pela primeira vez, preferi o arco e as imperfeições de uma performance completa em vez de empurrar os grãos até que eles se encaixassem sob um microscópio.”

A cada passo em How I Fell, Moss revela seu raro dom de dar vida às emoções mais particulares por meio do uso elegante e altamente intuitivo do design de som. Para isso, a música “Altitude”, que abre o álbum, captura com perfeição a estranha liberdade de se render ao torpor da depressão, chegando a um crescendo frenético que Moss conceituou como “a sensação de ser arrastado em uma tempestade”. Em “Lazy”, Moss coloca linhas de sintetizador escorregadias sobre padrões de bateria herméticos, criando uma dissonância incômoda que reflete a corrente emocional da música. “A letra lista as maneiras pelas quais eu me distraio dos motivos de minhas incertezas ou fracassos, o que pode ser desconfortável de admitir, então fazia sentido que a instrumentação assumisse essa mesma inquietação”, diz ele. E, em “Magic”, Moss transforma uma reviravolta desoladora em um hino épico e selvagem que é, ao mesmo tempo, uma sensação de dor e uma alegria sublime. “‘Magic’ é sobre meu pai em tratamento contra o câncer e a possibilidade de sua audição ser prejudicada, o que significa que não poderíamos mais fazer o que sempre gostamos de fazer juntos”, diz Moss. “A ideia de isso acontecer é muito assustadora para mim, então minha reação foi ser o mais barulhento e orgulhoso possível na produção de ‘Magic’. Apesar da minha abordagem habitual de ‘menos é mais’, continuei colocando mais e mais sons na faixa. Como se estivesse comemorando, foi uma espécie de cura fazer ‘Magic’ explodir no máximo de barulho que eu poderia fazer como uma única pessoa.”

Quando How I Fell termina com a esperança nervosa de “Next Year’s Light”, Moss já canalizou todo um turbilhão de estados de espírito (a devastação silenciosa de “Down With A Fight” e sua reflexão sobre a possibilidade de uma nova realidade repentina e que altere a vida, o devaneio nostálgico de “Everglades”). Mas, embora o álbum nunca se furte a explorar as profundezas mais obscuras dessas emoções, cada música ecoa o profundo senso de encantamento que ele encontra incessantemente no processo criativo.

DATAS DA TURNÊ NORTE-AMERICANA DE 2024 DE ELLIOT MOSS:

Abr 17 – Washington, DC @ DC9

Abr 18 – Brooklyn, NY @ Music Hall of Williamsburg

Abr 19 – Boston, MA @ Middle East Upstairs

Abr 20 – Montreal, QC @ Petit Campus

Abr 22 – Toronto, ON @ Velvet Underground

Abr 24 – Chicago, IL @ Sleeping Village

Abr 25 – Minneapolis, MN @ Turf Club

Abr 27 – Denver, CO @ Globe Hall

Abr 29 – Los Angeles, CA @ The Echo

Abr 30 – San Francisco, CA @ Brick & Mortar (Popscene)

Mai 03 – Vancouver, BC @ Wise Hall

Mai 04 – Seattle, WA @ Barboza

Mai 05 – Portland, OR @ Holocene Theater

Mai 23 – Mexico City, MX @ Foro Indierocks!

Mai 24 – Monterrey, MX @ Café Iguana

Mai 25 – Guadalajara, MX @ C3 Stage

Denunciar post

O que você achou do conteúdo?

Escrito por Gabriel Nascimento

Oie, sou o Gabe, o cérebro por trás desse universo chamado Nation POP. Sou Jornalista, especialista em Marketing e Engenheiro de Software. Minhas redes sociais estão a disposição para conexões 💜😉

GOL passa a utilizar Inteligência Artificial Generativa

GOL passa a utilizar Inteligência Artificial Generativa

Jennifer Lopez

Jennifer Lopez lança o aguardado álbum “This Is Me…Now”, uma jornada de amor e autoaceitação